Violência doméstica: Cejuvida bate recorde de atendimentos em 2018

(PJERJ, 14/01/2019 – acesse no site de origem)

A Central Judiciária de Abrigamento Provisório da Mulher Vítima de Violência Doméstica (Cejuvida) atingiu recorde de atendimentos em 2018. Somente durante o ano passado, 1.584 mulheres em situação de violência doméstica e familiar e seus filhos menores de idade foram auxiliados pelo projeto do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ). O número representa um crescimento de 44% em relação a 2017, quando foram realizados 1100 atendimentos.

Considerando o ano passado, dezembro foi o mês com o maior número de solicitações: 195, seguido por junho (159) e julho (149). Do número total de mulheres atendidas, 64 foram encaminhadas aos abrigos. “Em minha opinião, a violência doméstica está crescendo assustadoramente, principalmente porque muitos homens não aceitam o fim do relacionamento. É importante que tenhamos meios de ajudar essas mulheres a saírem desse ambiente de violência. A Cejuvida trabalha com pessoas em risco de morte, atuando no sentido de protege-las”, explica a coordenadora da central, Lídia Schnetzer.

A central foi criada em 2010 para prestar apoio ao encaminhamento seguro e célere de mulheres vítimas de violência doméstica, e de seus filhos menores, às casas-abrigo. Integrada ao Plantão Judiciário, a Cejuvida abrange todas as comarcas que distem, no máximo, 150 quilômetros da sede do Plantão Judiciário da Comarca da Capital. A Central funciona diariamente das 18h às 11h do dia seguinte, inclusive em finais de semana ou feriados, prestando também o primeiro atendimento às vítimas, sempre que os serviços especializados dos centros de referência não estiverem em funcionamento.